Cabines de Fono

Cabines de Fono

O que é o processamento auditivo?

Processamento auditivo é definido como a eficiência e eficácia com que o sistema nervoso auditivo utiliza a informação auditiva (ASHA 2005). Para processar a informação auditivamente, os sons têm que ser detectados e interpretados, isto é, (o que fazemos com que ouvimos?). Os estímulos devem ser captados pelo sistema auditivo periférico e codificados neuralmente, sendo assim transformados e interpretados internamente, que serão analisadas e interpretadas pelo Sistema Auditivo Central (ASHA 2005).

Transtorno do processamento auditivo

Déficit no processamento neural do estímulo auditivo que não pode ser atribuído a fatores de ordem superior como a linguagem, a memória e a atenção. No entanto, pode levar ou estar associado a dificuldades de linguagem, aprendizagem e comunicação. Embora o TPAC possa co-existir com outros transtornos (TDAH, comprometimento da Linguagem) e dificuldade de aprendizagem), não é resultado destes transtornos.’’ ASHA (2005).

Características dos indivíduos com transtorno do do processamento auditivo:

– Tempo de atenção curto
– Facilmente distraído
– Dificuldade em seguir direção
– Comportamento impulsivo
– Prejuízo na habilidade de linguagem falada, escrita
– Dificuldade de organização e sequencialização de estímulos verbais e não verbais
– Tempo de latência aumentado para emissão de respostas.
– Dificuldades acadêmicas, incluindo problemas de leitura, ortografia e/ou aprendizagem.
– Dificuldade em aprender uma língua estrangeira.

Queixas auditivas:

– Aumenta o volume
– Dificuldade para entender a fala no telefone
– Dificuldade de entender a fala na presença de ruído
– Solicitar com frequência para repetir o que foi falado (HÃ?, QUE?)
– Dificuldade de discriminação; P/B = ou diferente
– Escuta uma coisa e entende outra; Mato X pato
– Dificuldade de entender piada sarcasmo

Objetivo da Avaliação do Processamento auditivo

Identificar Inabilidade auditivas que causam impacto na vida do indivíduo
Diagnóstico diferencial: TDAH, déficit cognitivo, disturbio de aprendizagem e psíquico
Acampamento da maturação auditiva
Direcionamento terapêutico

Qual o objetivo do treinamento Auditivo?

O treinamento auditivo (TA) visa aprimorar as habilidades auditivas, a fim de reduzir as dificuldades de comunicação e dificuldades escolares, nos indivíduos com alterações de processamento auditivo.
O treinamento auditivo otimizar os circuitos neurais por meio do aumento do número de neurônios envolvidos, da mudança no tempo de sincronia neural e aumento de conexões sinápticas. As mudanças que ocorrem no sistema nervoso auditivo central ocorridas após TA são fundamentadas na neuroplasticidade.
Plasticidade neural pode ser definida como: A capacidade do sistema nervoso adapta-se a diferentes estímulos, a plasticidade neural auditiva promove mudanças anatômicas e/ou funcionais no sistema de responsável pelas informações auditivas. Sendo assim a estimulação auditiva por meio do treinamento auditivo promover uma reorganização no SNAC, fortalecendo as habilidades auditivas alteradas.

O TA pode ser realizado em conjunto com outras terapia?

Considerando que a maioria dos casos em que há alteração de PAC também há outros distúrbios de aprendizagem é fundamental o diálogo entre os profissionais envolvidos.

Referências bibliográficas:

Pascual-Leone A, Amedi A, Fregni F, Merabet LB. The plastic human brain cortex. Annu Rev Neurosci. 2005;28:377-401.

Musiek FE, Chermak GD, Weihing J. Auditory Training. In: Musiek
FE, Chermak GD. Handbook of Central Auditory Processing Disorder,Plural Publishing, 2007.

Musiek FE, Shinn JMS, Hare CMA. Plasticity, Auditory Training and Auditory Processing Disorders. Semin Hear. 2002;23(4):263-75

Fujioka T, Ross B, Kakigi R, Pantev C, Trainor C. One year of musical training affects development of Auditory Cortical-evoked fields inyoung children. Brain. 2006;129(10):2593-608
(Central) Auditory Processing Disorders – Working Group on Auditory Processing Disorders – ASHA (2005).
de de aprendizagem), não é resultado destes transtornos.’’ ASHA (2005).