Psicopedagogia

Psicopedagogia

O que é psicopedagogia?

A psicopedagogia baseia-se em compreender como acontece a construção do conhecimento, tal como os processos de aprendizagem humana, e por consequência, promover uma maior eficácia da educação. Trata-se portanto da união entre a pedagogia e a psicologia. Não obstante, é uma área ainda mais multidisciplinar, abordando conhecimentos de neurologia e também de antropologia.

A abordagem psicopedagógica envolve quatro pilares principais: psicológicos, pedagógicos, afetivos e cognitivos. Esses aspectos são de fundamental importância na área ao observar os comportamentos da criança, já que são responsáveis também por sua noção do espaço em que habita.

Trata-se essencialmente de um campo investigativo, proporcionando ao psicopedagogo todas as condições de desenvolver a melhor trajetória de aprendizagem.

Por basear-se na análise e observação profunda de uma situação concreta, possibilita que o psicopedagogo utilize de seus conhecimentos prévios e fundamentados nas características do Transtorno do Espectro Autista (TEA), proporcionando intervenções eficazes, ainda mais quando alinhadas à aspectos comportamentais e cognitivos.

Psicopedagogia e Autismo

O profissional de psicopedagogia estabelecerá a forma mais adequada de introduzir os conhecimentos sociais disponíveis, incentivando o desenvolvimento cognitivo e ajudando-o(a) na construção de condutas mais assertivas, dando ênfase na convivência do indivíduo no meio social.

Não obstante, a psicopedagogia quando utilizada em crianças com TEA, possui a missão de contribuir na assimilação, compreensão e orientações comportamentais, promovendo a quebra de paradigmas para o paciente e possibilitando a relação com o mundo.

Existem inúmeras formas de utilizar da psicopedagogia nas intervenções de crianças com TEA, formulando aspectos como curiosidades, reformulações e inquietações e reforçando uma interação mais aprofundada com o indivíduo. Outro fator que difere a psicopedagogia neste tipo de tratamento das demais abordagens é que o psicopedagogo não foca no transtorno em si, mas sim nos aspectos que englobam a aprendizagem da criança. Isso é possível devido ao conhecimento que possui o profissional de apresentar novos modos de aprendizagem, mostrando e fazendo com que a criança a partir daí ela possa construir seu conhecimento.

É fundamental que cada abordagem seja única, isto é, respeitando os limites (sem deixar de trabalhá-los) e tratando as demandas de cada indivíduo.

Psicopedagogia e pessoas idosas

A psicopedagogia nessa fase da vida serve para auxiliar a pessoa idosa a compreender a si mesmo e aceitar seus pensamentos e emoções. Sendo assim, a psicopedagogia auxilia com a formação continuada do paciente.

Muitos idosos passam por um processo de indiferença social, isto é, sociedade em geral e familiares tornam-se apáticos com a pessoa idosa, gerando nela sentimentos e emoções negativas/tristes e que por ventura pode levar a certas doenças.

Por esse motivo, a psicopedagogia reinsere o idoso na sociedade, reintegrando sua vida através do desejo pelo saber. É importante ressaltar que o “saber” aqui dito não se trata da perspectiva acadêmica, mas sim do desejo de aprender mais sobre si e sobre a vida. Trata-se portanto de voltar a escrever sua própria história, com saúde mental suficiente para manter uma vida digna.

Em atendimento, o psicopedagogo promove conversas, leituras, troca de conhecimentos, desafios intelectuais, etc. Tudo promovendo o desenvolvimento cognitivo, e claro, o bem-estar pessoal.

A história da psicopedagogia

A psicopedagogia originou-se na Europa, na tentativa de compreender a dificuldade de aprendizagem junto aos contrastes sociais daquele período.

Em 1946 foram criados os primeiros centros de pedagogia por Juliette Favez-Boutonnier e George Mauco. Nesse momento, iam aos centros pedagógicos crianças que apresentavam comportamentos considerados inadequados (em casa ou escola), ou que possuíam dificuldades de aprendizagem. Com isso, o objetivo era não somente conhecer a criança e suas demandas pedagógicas, mas também compreender o meio em que ela estava inserida, promovendo ações que as reeducassem.

A psicopedagogia originária da Europa posteriormente influenciou a psicopedagogia em Buenos Aires, Argentina, sendo este último local a primeira cidade a oferecer o curso de formação na área.

Por volta de 1970 a psicopedagogia chega no Brasil através da Argentina. Nesse período as dificuldades de aprendizagem eram interpretadas como DCM (Disfunção Cerebral Mínima), gerando um novo desafio de reeducação geral por parte da psicopedagogia. Dentro desse processo de reeducação, foi necessário ressaltar que muitos problemas de aprendizagem são, na realidade, sociopedagógicos. 

Onde encontrar psicopedagogia?

Nós da Clínica Religare contamos com os melhores psicopedagogos e equipamentos do mercado para auxiliar e acolher toda a sua família. Além disso, contamos com uma equipe interdisciplinar para acrescentar no tratamento, isto é, além de Psicopedagogia também contamos com Terapia ABA, Psicologia (não só para pacientes como também para seus familiares, responsáveis e/ou cuidadores), Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Musicoterapia, Psicomotricidade, Fisioterapia e Hidroterapia. Todas essas terapias agem de forma integrada e com discussão de casos para prover o melhor tratamento possível diante das demandas individuais de cada paciente.